© 2017 Centro Tratamento de Gaguez

Please reload

Posts Recentes

CTGaguez organiza formação em Gaguez Infantil com o Dr. Scott Yaruss (USA)

May 17, 2019

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Gaguez e Ansiedade. Mitos e Factos

A Gaguez não tem como causa a ansiedade, trata-se de uma condição neurobiológica que na verdade pode ter um forte impacto na qualidade de vida. Neste sentido, a ansiedade é uma consequência e não uma causa.

 

Se pensarmos na ansiedade, todos a conhecemos, em determinada momento ou situação, todos já a experimentamos e vamos continuar a experimentar. Trata-se pois de uma reação natural perante uma ameaça, um perigo ou apenas a perceção e interpretação da situação como ameaçadora.

 

O que se passa com algumas pessoas que gaguejam, sobretudo nos adolescentes e adultos é que já viveram algumas, porventura demasiadas experiências negativas de comunicação, nas quais o medo da avaliação negativa dos outros ao seu discurso e fala é intenso, o receio de gaguejar é muito e a vergonha e a frustração estão muitas vezes presentes.

 

Na verdade, o que acontece é que algumas pessoas que gaguejam têm pensamentos negativos nas situações de comunicação ou interação social, fruto de experiências passadas e que são frequentemente generalizadas. Falar em público, em reuniões, fazer apresentações, falar com estranhos ou figuras de autoridade ou mesmo apenas fazer atividades do quotidiano como pedir um café ou fazer um telefonema, podem ser acompanhadas de muito medo, angústia e vergonha. Por outro lado e de forma a evitar sentir este tipo de emoções e o receio de que os outros os avaliem como pessoas menos competentes, nervosas, inseguras conduz muitas vezes a que algumas pessoas que gaguejam evitem muitas situações e deixem de viver um universo de experiências que poderiam ser gratificantes e promotoras do sentimento de satisfação com a vida.

 

Efetivamente parece lógico que os pensamentos e crenças negativas que algumas pessoas que gaguejam apresentam, a convicção de que os outros as vão avaliar de forma negativa, que não vão conseguir exprimir as suas ideias, vão provocar um conjunto de emoções e sentimentos, nomeadamente de medo, vergonha e frustração que têm o potencial de aumentar a ansiedade e consequentemente afetar de forma negativa o sistema motor da fala, traduzindo-se frequentemente, no aumento dos momentos e severidade da gaguez. Neste sentido, pode-se dizer que a atividade cognitiva, os pensamentos que algumas pessoas que gaguejam têm sobre si, sobre as suas competências, sobre a avaliação dos outros, a antecipação e previsão de cenários negativos de comunicação e interação social, a incerteza sobre se vão gaguejar ou não, quando, a antecipação do momento de gaguez, podem e interferem frequentemente intensamente e de forma negativa na vida social, nas experiências e na vida.

 

A Gaguez não tem como causa a ansiedade, trata-se de uma condição neurobiológica que na verdade pode ter um forte impacto na qualidade de vida.

 

Se pensarmos na fase da Adolescência, marcada pela afirmação da autonomia, uma etapa crucial na construção da identidade, pessoal e social, pela importância dos grupos de pares, sobretudo na autoestima e autoconceito do adolescente, na atividade escolar e académica na qual estão implicadas falar para um grupo, apresentações orais, associadas a uma etapa por natureza rica em relações sociais, é fácil concluir que o impacto pode ser forte na vida de alguns adolescentes que gaguejam. Muitas vezes, com a expetativa e objetivo de esconder a gaguez, de disfarçar, de recear a avaliação negativa dos outros, muitas experiências e oportunidades são perdidas, muitas coisas são evitadas.

 

Também na idade adulta, a ansiedade pode estar presente e associada em algumas pessoas que gaguejam a situações de comunicação, relação e interação social, mais uma vez o receio da avaliação negativa dos outros, o sentimento de se ser pouco competente na comunicação, o medo de gaguejar, a vergonha e frustração de não se conseguir dizer o que se pretende, a luta para evitar gaguejar e esconder a gaguez e porventura muito tempo com muitas experiências negativas de comunicação e interação social, promovem o aumento da ansiedade.

 

Assim, podemos dizer em rigor que as pessoas que gaguejam não são necessariamente mais ansiosas que as outras e que a ansiedade não é causa da gaguez. Aquilo que podemos afirmar é que algumas pessoas que gaguejam podem sentir ansiedade, sobretudo em situações de comunicação e interação social e que a ansiedade, naturalmente devido também à sua expressão e tradução no corpo, afeta os órgão da fala, tornando-se mais difícil falar.

 

No tratamento da Gaguez, são avaliadas todas estas questões, numa abordagem integrada nas necessidades individuas e numa avaliação e intervenção multidisciplinar, atendendo não apenas aos aspetos da fala, mas também aos pensamentos, emoções e atitudes das pessoas que gaguejam, de forma a identificar as áreas em que se tem de intervir, potenciado assim o sucesso do tratamento.

Cada gaguez é única e por isso o processo de tratamento é único, planeado para responder às necessidades e objetivos de cada pessoa que gagueja.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sónia Serrão